segunda-feira, 11 de julho de 2011

A Criação de Gaian - Parte 2 - 1° Ponto: criação de uma obra ampla, rica e fantástica (tema)

Olá visitantes, sejam bem-vindos.

Pois bem, continuando a postagem a respeito da origem de Gaian, abordarei agora o primeiro fator sobre o qual eu refleti no início: a criação de uma obra ampla, rica e fantástica (tema), um conjunto que se mostrou muito presente durante a concepção da estória e a criação do livro Gaian, O Reinício, por haver uma necessidade a ser realizada e uma escolha a ser feita.

A necessidade diz respeito à “forma” do mundo, ou seja, o ambiente físico (abrangência total – rios, lagos, morros, montanhas, desertos, pântanos, mares, céus, temperatura típica de uma região etc), a interação entre ele e os personagens, as influências sociais e os aspectos culturais (sentido amplo). Esses assuntos são extremamente interessantes, pois refletem a vida em si e todas as suas circunstâncias corriqueiras, ordinárias ou excepcionais.

A escolha, já, se deu em termos de como seria a estrutura de Gaian. Fisicamente, eu, durante a concepção, pensei em várias possibilidades e decidi que Gaian teria estruturalmente todas as características do planeta Terra. Por esse motivo, Gaian é igual à Terra, exceto pelo tamanho. Originalmente, eu imaginava Gaian do mesmo tamanho do nosso planeta, mas ao longo da criação de Gaian, O Reinício, minha ideia mudou. Hoje comparativamente vejo Gaian com um planeta um pouco menor do que a Terra.

Em termos não-físicos ou ideológicos, Gaian se parece com a Terra. Digo isso, pois há diferenças em algumas áreas – desenvolvimento tecnológico, estrutura sociocultural e religião, por exemplo. Em Gaian, o desenvolvimento tecnológico e a estrutura sociocultural estão muito vinculados à formação cultural dos povos e à relação com aNatureza – mesmo diante de alguns fatos da própria história de Gaian, anteriores ao período do primeiro livro, ano 11.363 – e por isso eles seguiram caminhos diferentes do que aconteceu na Terra. A religião é diferente, porque a própria história que compõe a saga levou a outros caminhos a serem explicados quando eu falar sobre a mitologia que está sendo criada.

Por fim, há a Fantasia como tema. Gaian, O Reinício, nesse sentido, é uma ideia que teve influência de livros e filmes do gênero. Notoriamente, o que mais me influenciou foi O Senhor dos Anéis – algumas pessoas até fizeram comentários quando da leitura dos primeiros capítulos, dizendo que “já haviam visto aquele estilo em algum lugar”. Há uma certa razão nessa afirmação. Certa razão, pois o livro foi escrito sem que eu lesse uma página de O Senhor dos Anéis e de outros livros do gênero. Além disso, as características dos personagens, as circunstâncias dos fatos, a narrativa e, principalmente, a estória da saga são bem diferentes. Pelo outro lado, Gaian, O Reinício, também possui elementos da mitologia clássica – comportamentos, ideais, consciência coletiva etc. Essas características sofrem mudanças no decorrer dos livros, passando a ser mais atuais, acompanhando os contextos e as situações diferentes. Consequentemente, as ações, decisões e atitudes dos personagens irão em outras “direções”.

Também existe a questão da relação realidade-não realidade. Apesar de ser incluída no rol da Fantasia, procurei aproximar a estória o máximo possível da realidade. Há temas do mundo fantástico, mas todos eles estão ligados ao mundo físico.

Todos os pontos apresentados foram buscas que ocorreram durante a criação de Gaian, O Reinício, para descobrir a Identidade da estória e a minha como escritor. Hoje eu sei que as encontrei.

É isso, caríssimos e caríssimas leitores e leitoras. Até a próxima postagem.

Sinceramente,


Cláudio Manoel.

2 comentários:

  1. Como já havia dito, acho impotante este compromisso seu com os leitores. As explicações sobre o contexto dos livros é muito boa.

    Um abraço, Cláudio.

    ResponderExcluir
  2. Aceita parceria para blog literário?
    http://funhousesa.blogspot.com/

    contatofunhousesa@hotmail.com

    ResponderExcluir